Est. June 12th 2009 / Desde 12 de Junho de 2009

A daily stopover, where Time is written. A blog of Todo o Tempo do Mundo © / All a World on Time © universe. Apeadeiro onde o Tempo se escreve, diariamente. Um blog do universo Todo o Tempo do Mundo © All a World on Time ©)

domingo, 29 de janeiro de 2012

Recordando António Couto, lendário relojoeiro lisboeta


Acaba de nos chegar às mãos (contribuição do relojoeiro João Vinhas) imagem de etiqueta emitida por António Couto, talvez o mais importante relojoeiro reparador na segunda metade do século XX português.

António Couto, já no fim da vida (em cima), na sua loja na Rua Sampaio e Pina, e a dar corda a um relógio, anos antes, numa reportagem saída no jornal A Capital (em baixo).


Entrada do Dicionário de Relojoaria - O Universo do Tempo e dos seus Medidores (Âncora, 2007)

COUTO, António do
Relojoeiro reparador, autodidacta, especializado no restauro de relógios antigos. Nasceu em Novembro de 1923 no lugar da Ilha, freguesia da Mata Mourisca (Pombal). Estudou no Seminário de Coimbra. Abriu oficina em Lisboa na rua Sampaio e Pina, em 1953, deixando o emprego de funcionário público que exercia, desde os 23 anos, no Instituto Nacional do Pão. Meticuloso e estudioso de relojoaria não reparava nenhuma peça sem a estudar convenientemente. Tornou-se pela sua competência e maneira de ser como uma figura lendária do séc. XX, no respeitante ao restauro e conservação de relógios antigos: Fundação Gulbenkian (ver), Palácio da Ajuda (ver), Fundação Medeiros e Almeida (ver), bancos, ministérios, museus, grandes coleccionadores, monarcas no exílio como o rei Humberto de Itália ou as princesas Doroteia e Helena da Roménia, etc., recorriam ao seu trabalho. Trabalhou não só para o país como recebeu, para conserto, relógios de muitas partes do mundo: do Japão a Roma – arranjou um relógio ao Papa! Era membro da Antiquarian Horological Society. Tinha histórias interessantíssimas dos relógios dos grandes coleccionadores de quem nunca divulgava os nomes. Faleceu em Novembro de 2000. (41)

1 comentário:

Elena Rojas disse...

Caro Sr. Tem conhecimento se a loja do Sr. Couto ainda existe? Herdámos do avô do meu marido uma estação do tempo que vendou-lhe há muitos anos, e gostávamos de reparar.
Obrigadíssima!
Elena Rojas Crocker
elena.rojas.crocker@gmail.com