Est. June 12th 2009 / Desde 12 de Junho de 2009

A daily stopover, where Time is written. A blog of Todo o Tempo do Mundo © / All a World on Time © universe. Apeadeiro onde o Tempo se escreve, diariamente. Um blog do universo Todo o Tempo do Mundo © All a World on Time ©)

sábado, 4 de abril de 2020

Relógios Corum, 1990 Clarence Cronologia de Genebra


(arquivo Fernando Correia de Oliveira)

Os relógios Maurice Lacroix no Relógios & Canetas online


Estes e outros milhares de relógios mostrados e explicados aquiaqui ou aqui, no Relógios & Canetas online, a mais importante plataforma do seu género em língua portuguesa.

Janela para o passado - 1948, dentífrico Kolynos

Covid-19 - negociantes de diamantes em guerra com os avaliadores, depois dos preços terem caído de 5 a 7 por cento de forma administrativa


Centenas de negociantes de diamantes juntaram-se no meio da crise do Covid-19 em busca de uma plataforma alternativa para negociação de diamantes polidos, depois do Rapaport Group (RG), que lidera a nível mundial a determinação das cotações ter baixado o preço de cerca de 95 por cento das categorias de diamantes em média 5 a 7 por cento.

O comunicado:

Antwerp, Dubai, Mumbai, New York, Ramat Gan – April 3, 2020: A large group of international diamond manufacturers and traders have come together in search of an independent, transparent, innovative third party operated polished diamond trading and buying platform, for diamond traders and retail jewelers word-wide. The initiative was born on March 20, 2020, immediately after the Rapaport Group (RG), which operates the diamond industry’s leading polished trading diamond platform and price index system, unilaterally adjusted prices downwards for about 95 percent of the categories listed in the round and fancy polished diamond price index of March 20, with an average of five to seven percent, across the board. The RG’s unilateral adjustment of its price index caused an unparalleled uproar in the global diamond trade. The group published an open letter to the industry, which is printed below.

Consequently, the diamond traders listed below jointly announced that they would use the RG’s polished diamond price index as published on March 6, 2020, as a reference point until a new, independent, non-biased and transparent alternative would be presented to the diamond industry.

Meanwhile, the World Federation of Diamond Bourses (WFDB) announced that a state-of-the-art, “cross-bourse” trading platform is under development (www.get-diamonds.com). It will very soon be available for the diamond industry and trade at large. Speaking on behalf of the WFDB, Yoram Dvash, President of the Israel Diamond Exchange, advised - in a letter sent to the trade – that those who wish to post their stocks elsewhere in the interim could do so on the trading platform of Get Diamonds.

The group of diamantaires who initiated the drive for an alternative trading platform began organizing their initiative on Friday, March 20, using social media channels such as WhatsApp and Instagram. Within hours, diamond traders and manufacturers from the major diamond trading hubs - Mumbai, Antwerp, Tel Aviv, New York, and Dubai – came together, sharing their grievances and objections to the RG’s newly published round and fancy polished diamond price index. The arguments voiced by participants in the online discussions were, among others, that over the years, the RG has operated the trade’s leading price index system in a non-transparent manner and had dictated polished diamond prices, revising them upwards or downwards, without offering any guidance, let alone explaining the rationale or mechanism that lies behind its decision-making process. The current slow trade of polished diamonds is the direct result of the crippling effects of sovereign nations under total lockdown, not by supply and demand fundamentals. Therefore, the latest polished diamond prices published by the RG do not reflect trading prices in the global wholesale diamond market.

The group members consequently resolved to remove their polished diamond inventories from the platform, stating that as a collective, they no longer wish to depend on the RG’s trading platform and price index. They meanwhile are posting their stocks on other existing platforms.

#####

Open Letter to Our Colleagues in the International Diamond Industry and Trade

April 2, 2020

The pandemic caused by the Covid-19 virus has brought almost the entire world as we know it to a standstill. While China seems to be slowly recuperating from the impact of the pandemic, in other parts of Asia and the western world, the pandemic is still raging, claiming thousands of victims a day.

Of course, like many other sectors, our industry, the international diamond industry and trade, also has ground to a halt. Throughout the diamond supply pipeline, business activities have ceded. All around the globe, diamond mines have been put on care and maintenance, while business activities in the midstream (manufacturing and trade) and the upstream (the retail jewelry sector) have dwindled to a trickle. These developments are unprecedented, and we’re all learning to confront the challenges the pandemic is presenting to us, both in our personal lives as well as our businesses. Of course, we wish all our colleagues the strength and stamina needed to see this crisis through and, above all, good health.

Therefore, in light of the above, we, the undersigned to this letter, were shocked and extremely disappointed to discover that on Friday, March 20, the Rapaport Group (RG), the owner and publisher of industry’s leading polished diamond price index system, had unilaterally adjusted polished prices downwards for about 95 percent of the round and fancy polished diamond categories listed, marking prices down on average and across the board with approximately seven percent.

Price changes in either direction should be a reflection of actual trading prices and the volumes of polished diamonds bought and sold. RG’s action of March 20 was, unfortunately, made without regard to either. We are alarmed and troubled as to the methodology and timing of establishing and setting market prices without trading activity in the market. RG’s actions are further proof that, over the years, it has operated and dictated polished diamond prices in a non-transparent manner, revising prices upwards or downwards, without offering any guidance, let alone a mechanism or rationale that lies behind its decision-making process.

The current slow trade of polished diamonds is the direct result of the crippling effects of sovereign nations under total lockdown, not by supply and demand fundamentals. Therefore, the latest polished diamond prices published by the RG do not reflect trading prices in the global wholesale diamond market.

Within days, a large group of diamond traders and manufacturers from the major diamond trading centers Antwerp, Dubai, Mumbai, New York and Ramat Gan (Israel) - a group much larger than the companies that signatories to this open letter - have come together to voice their resistance and rejection of RG’s actions. Collectively, they no longer wish to depend on the RG platform and price index. Also, they have resolved that the RG price index, as published on March 6, 2020, will serve as a reference point for future diamond trading until a new, independent, non-biased and transparent reference would be presented to the diamond industry.

Since rallying behind this unique, “popular uprising,” more than 500 diamond traders and manufacturers, among them most of the world’s leading diamond firms, proceeded to remove their polished diamond inventories from the RG trading platform. At this point, it is estimated that about 70 percent of the original polished diamond inventory was removed by the diamond trade, i.e., close to $6 billion worth of polished diamonds. Each respective company did this voluntarily.

End

The above news release and open letter were approved and issued by:

AA Rachminov
Aadi Gems
Aaryaa Dimon
Aashi Diamond
A.B.T. Diamonds
Adi Gems
Akshargems
Alisar Gems
Aliya Diamond
Almog diamonds Asia Ltd
Alpha Creations
Amare Diamonds
Anand Exports
Anders Diamonds
Andre Messika LTD
Anita Diamonds
Ankit Gems
Arie Pienica Sons
Arpandiam
Arslanian Freres
Aspeco HK
Aspire Designs Babayoff Diamonds
Beta Diamonds
Bhajan Jewel
Bliss Diam
BR Gems
Brilliant Facet
Brilliant Star BV
Brilliant Trading Company
Carbon 6 Diamonds
Chaitya
Cosmos Diam HK
Dalumi
Dharmanandan Diamonds
Diamond Creations
Diamond Emporium
Diamond Trading Company
Diamtrade
Dianoche Pte
Diashimmer
Dimexon Antwerp
DMI Diamonds
DN Diamonds
Double Star
Dynasty Diamonds Gumpert C
E And G Angels Diamond
Eitan Grossman
Elite Diamond Traders
Eliyahu Yona
Elul Diamonds Eshed Diam Ltd
Eurostone Diamonds Excellent Diamonds Ltd
Exim Limited
Facets
Fima Diamonds
Finestar Jewelry ans Diamonds
Gal Diamonds
Galco Group
Gem Nine
Glacial PVT
Glitter Success Ltd
Glorytrading
Goldland HK House of Gems
Hrishi Diam
Ideal Brilliant
IDS Diamonds
Imreco Import
Jadfiya Diamond
JB Brothers
Julius Klein
KA Diamonds
Kapu Gems
KGK Diamonds
Khaled El Ali Eternal Diamonds Bvba
Khushi Gems
Kings Diamonds
Kothari Trading HK
Kshama Impex
KTF Inc
Kwiat
Laxmi Diamond HK
Levuma BVBA Lotus star ltd
Lower Orange River Diamonds
M&B Ltd
Meru Gems Michael or llc
Millennium star
Moti Eliyahu Diamonds LTD
MSD
Multi Gems BV
My Diam
Navinchandra Laxmichand Shah
NFR Innovation
Nirs LTD
NN Diamonds
Noa Trading
Novel Collection
Orissa Gems
P Hirani
Paco Art
Paloma Diamonds Pierre Hirschfeld Atal
Pioneer Gems
Pluczenik Diamonds
PMI Diamonds
PN Shah
Podicko Diamonds
Poligem Diamonds
Preksha Gems HK
Premier Gems
Pristine Gems
Reddiam
Regent Diamonds
Ronald Abram
Royal Gem
S Vinodkumar
Safdico
Samir Gems
Samyag Gems
Shirtal Diamonds
Shivaan Diam
Shivam International
Simgems
Simon Namdar
Skyblue Diamond
Solow & Co
Sparkling star
SRK diamonds
SRS Diamonds BVBA
Star Gems
Star Rays
Sunview
SV Gems
Tache NV
Taly Diamonds
The Last Diamond Company LLC
Trustar Diamond
Twinkle Jewelry
UB International
Ultimate Diamonds
Uni Diamonds
Uniglo BV
Universal Diamond Corp
Universal Gem Exports
Veera Dimon BV
Venus Jewel
Vishinda Inc
VN Diamonds
Wala Gems
Windiam
Yaacob Guy
Yondor
Zakheim collection

Editor-Chefe do Anuário Relógios & Canetas em Conferência na Universidade de Coimbra


Na edição de Abril. Este e outros temas, bem como milhares de relógios, mostrados e explicados aquiaqui ou aqui, no Relógios & Canetas online, a mais importante plataforma do seu género em língua portuguesa.



Meditações - Não sei voltar ao passado

Certa noite o meu destino
Vi, nos teus olhos fatais
E fiquei tão pequenino
Que desde então, imagino
Segui-los p'ra onde vais

Não sei voltar ao passado
Nesta noite derradeira
Vejo-te ainda a meu lado
Mas neste fado bailado
Arde a minha vida inteira

Coração da minha vida
Vida do meu coração
Em cada noite perdida
Uma promessa esquecida
Naquele olhar sem perdão

Vou contigo, coração
A morrer dentro de mim
Se ainda bates sem razão
Não te sei dizer que não
Vou contigo até ao fim

Fernando Pinto do Amaral

sexta-feira, 3 de abril de 2020

Relógios Ebel Voyager, 1990


(arquivo Fernando Correia de Oliveira)

Os relógios Longines no Relógios & Canetas online


Estes e outros milhares de relógios mostrados e explicados aquiaqui ou aqui, no Relógios & Canetas online, a mais importante plataforma do seu género em língua portuguesa.

Janela para o passado - 1948, Kodak

Covid-19 e os relógios Raketa


Covid-19 - Baselworld propõe a expositores transição do dinheiro pago em 2020 para 2021


A organiação da Baselworld propõe aos expositores transitarem para 2021 os 85% do que pagaram para estarem presentes na edição de 2020, entretanto cancelada. Na alternativa, podem re-haver até 30 por cento em dinheiro e fazer transitar 40% para a feira do próximo ano.

O comunicado:

Basel, Switzerland, 03 April 2020 – The Baselworld team would like to express its sincere support to the whole community and its stakeholders in these very difficult times we are all facing.

Organising an event of the scale of Baselworld involves a team of 25 persons working all year round, along with internal and external partners for planning, coordinating, building, marketing, etc. This means substantial financial commitments that began long before the event itself. The closer you are to the show date, the higher the costs incurred. By the time the crisis began to unfold, Baselworld was just a few days before setting up the fairgrounds and the major portion of the expenditures in preparation for Baselworld 2020 had already been made.

In this challenging environment, Baselworld is very conscious of the stakes for all exhibitors and is absorbing a significant portion of costs due to postponing the show by offering to carry forward 85% of the fees for Baselworld 2020 to Baselworld 2021 (the remaining 15% will serve to partially offset out-of-pocket costs already accrued). If needed, exhibitors can alternatively request a cash refund which will be of up to 30% of the fees, with 40% carried forward to Baselworld 2021.

Michel Loris-Melikoff, Managing Director of Baselworld, comments: “We are all in this together and that is why we are committed to supporting our exhibitors as best we can in these turbulent times. We are offering unprecedented conditions, which go far beyond contractual obligations (general terms and conditions) and are much more generous than the vast majority of similar European shows that had to be cancelled or postponed. It seemed essential to make these significant financial efforts. I wish for all of us a return to business as soon as possible.”

Baselworld has also informed the Basel Hotel Association and strongly enjoined them to show their commitment to supporting exhibitors by offering terms and conditions that are adapted to these extraordinary circumstances.

Baselworld means 80,000 visitors, including thousands of retailers, end customers, journalists and enthusiasts. While the brands will not be able to meet all their partners physically this year, the postponement of the show encouraged the Baselworld team to further pursue its strategy to digitalize the community in order to make it active all year round. The launch of a new digital global platform is due to go online before summer.

Next Baselworld edition: from January 28 to February 2, 2021 (Press Day on January 27).

Covid 19 - Exposição Homo Faber: Living Treasures of Europe and Japan adiada para 2021


A segunda edição de Homo Faber: Living Treasures of Europe and Japan foi adiada para 2021, em data a anunciar.

O comunicado da Michelangelo Foundation:

We hope that you are all keeping well and safe in these challenging times. It is at times like these that we are reminded of the importance of placing humankind first. In light of this, to ensure the health and safety of you all, our cherished crafts community, we have taken the decision to postpone the second edition of Homo Faber: Living Treasures of Europe and Japan to 2021. We are working on a new date for the second edition of Homo Faber: Crafting a more human future which we will confirm in the coming weeks.

As we all live through this unsettling situation together, it is a moment above all to care for each other, to show humanity, resilience, courage and kindness. We share our solidarity with our whole community during these heartbreaking circumstances. As we slow down and adjust, we look for the silver linings to keep our faith on a brighter future.

Let us continue to be united and inspired by the everyday passion, dedication and pursuit of excellence shown by master artisans and all those who work to safeguard and promote precious human skills.

The myriad forms of beauty to be discovered in each human gesture, in the human touch, and in the human’s power to create and adapt in the face of difficulty should be a source of hope to us all.

In the coming weeks, we plan to launch and find digital initiatives which we hope will bring some light relief, be uplifting and enjoyable. We would also welcome any of your creative ideas and your creative input.

We look forward to continuing our journey together towards crafting a more human future.

O que é o Projecto Time Machine? Leia a edição de Abril do Relógios & Canetas online


Estivemos no maior seminário sobre o Tempo, realizado por estes dias em Paris. E falámos com um dos coordenadores do Projecto Time Machine - que vai permitir viajar no passado da Cultura Europeia, Este e outros temas na edição de Abril do Relógios & Canetas online. A maior plataforma do seu género em língua portuguesa. Que pode ser descarregado, grátis, aquiaqui ou aqui.




Meditações - o presente é o puro devir

Braudel (2005) radicalizou as críticas a um tempo considerado homogêneo, universal e linear e propôs a noção das múltiplas temporalidades. A partir desta perspectiva, não se pode mais negligenciar a presença de tempos que decorrem em diferentes ritmos na análise da sociedade, a saber: o tempo curto, comparado às ondas do mar, a espuma dos acontecimentos políticos; o tempo médio, como as correntes marítimas, das conjunturas; o tempo longo, comparado ao fundo do mar, das estruturas sociais e há quem fale do tempo longuíssimo, quase imóvel das mentalidades.

Koselleck (2006) estabeleceu uma perspectiva em que cada presente não apenas reconstrói o passado, problematizando as questões geradas em cada atualidade, mas que cada presente ressignifica o passado e o futuro. Aquele se coloca como uma nova maneira de se estabelecer as relações entre o passado e o futuro, pois o presente é a um só tempo, o passado do futuro e o futuro do passado. Ele contribuiu fundamentalmente para se construir novos diálogos entre o espaço de experiência e o horizonte de expectativas no campo da teoria da história.

A palavra mais indicada para caracterizar o presente é o puro devir (BERGSON, 1999, p. 160­162). O passado não passa, conserva, e aquilo que conserva é, as lembranças permanecem. Por este motivo, Ricoeur (2007, p. 436) afirma que para Bergson o esquecimento é inconcebível. Este passado que é, não está a serviço de nada, e é o interesse do presente que evoca o passado, ou certas características dele. O passado é o virtual e, enquanto virtualidade é real, é o tempo.

O segundo é o paradoxo do salto. Este postula que no processo de rememoração não se vai do presente ao passado, posto que o sentido que se estabelece é exatamente o oposto. Porque o evocar das lembranças supõe se instalar a partir do passado (BERGSON, 1999, p. 158). Nós saltamos no passado sem sair do presente. Este salto ocorre sempre em uma ou outra região do passado. Esta ou aquela região do passado é virtual. Suponha­se que se encontra a lembrança evocada. O entendimento destes paradoxos é prejudicado porque entendemos o tempo a partir de uma representação horizontal deste, que é na verdade pura abstração. Mas no tempo que dura, o passado coexiste ao lado do presente. Pelo paradoxo do salto, as distancias cronológicas não afetam a lembrança. Estamos todo o tempo saltando em uma região do passado.

O terceiro é o paradoxo da contemporaneidade. Neste, Bergson afirma que o passado é contemporâneo do presente. Este é demonstrado pela rememoração. A lembrança é uma atualização de uma imagem presente (BERGSON, 1999, p. 156). O passado é contemporâneo da lembrança. O passado está entre a percepção e a imagem­lembrança. O passado não foi presente, ele é o presente que está passando.

Em seguida temos o paradoxo da coexistência. Neste, o passado coexiste com o presente que passa (BERGSON, 1999, p. 172­173). O homem comum pensa a passagem do tempo da seguinte forma: o passado se forma somente depois do presente passado e o futuro depois de passado o presente. Neste sentido, passado é lembrança que passou, e o futuro é o que ainda não existe. Bergson subverte esta ordem e diz que o passado não vem depois do presente passar, ele coexiste com o presente que passa. O presente que passa, já é presente­passado. O agora só passa, porque coexiste com um presente que está passando. E, o agora só passa, porque coexiste com o passado (BERGSON, 1999, p. 175). O devir não tem início e não terá fim. Simplesmente existe. A lem­ brança está no passado, mas não é o passado. A lembrança é o presente que foi. O passado conserva o presente que está passando. O passado nunca foi presente. O que foi presente é o que está no passado, a lembrança do que foi. O futuro é o aberto, o incerto, o passado é o que garante a diferença (BERGSON, 1999, p. 160­162). A experiência garante a inovação. A indeterminação gera o novo a partir da experiência. O mundo físico pode trazer a duração na matéria. Mas, quando insere­se o vivo, existirá a abertura para a criação.

Para se evocar o passado, a pessoa recorre, em geral, às lembranças de outras, é preciso se transportar a pontos de referência que se colocam fora de si, determinados pelas regras construídas pela sociedade. A memória individual não pode funcionar sem os instrumentos que são as palavras e ideias, as quais não foram inventadas pelos indivíduos, antes foram tomadas de empréstimo do ambiente social, tais como a linguagem, o tempo e o espaço (HALBWACHS, 2006, p. 72).

As discussões anteriores são fundamentais para se entender e se pensar teoricamente o corpus documental que vai ser o gerador das análises. Para este propósito, foi eleito o último volume da obra de Marcel Proust, Em Busca do Tempo Perdido, denominado O Tempo Redescoberto (PROUST, 1992). Neste livro, podemos buscar uma série de reflexões sobre o tempo, que decorre, que dura, que age sobre os indivíduos e sobre a sociedade e que apresenta múltiplos ritmos e fluxos. E apresenta as marcas do conflito em sua produção, na narrativa, nos sentimentos flagrados e na própria temática. O livro aparece como uma espécie de acerto de contas com o passado, no qual o autor revisita diversos momentos de sua vida, de suas relações e das pessoas que fizeram parte dela. E justamente neste ponto, o problema do tempo se coloca de maneira indelével, pois este processo de revisita, reconstrução, retorno, não pode ser operado sem que uma concepção de tempo seja discutida, construída e principalmente praticada. A própria narrativa é sintoma e método para se pensar um tempo que se apresenta de maneira não cronológica, do tipo mecânico e convencionado a partir da física e da astronomia. É sintoma, pois a primeira característica que se destaca no texto é a descontinuidade. Não se deve procurar um “fio da meada”, uma pista que se desvela, uma narrativa evolutiva com um desfecho característico dos romances realistas e naturalistas. Método, pois para se tratar de outra temporalidade, a narrativa tradicional com partes definidas e ordenadas em início, meio e fim não responde e não contempla o problema proposto. Portanto, a inovação estabelecida por Proust pode ser percebida tanto em sua narrativa descontinua, como na própria concepção de tempo, que é pensado na obra como duração e afetividade. Este é marcado pela presença que suspende a mecânica do tempo homogêneo e partilhado da cronologia e do evolucionismo. Voltado para um passado que se faz presente, marcado de afeto, contra um tempo voltado somente para o futuro do progresso positivista. É um tempo que nega o saber temporal da história vigente no século XIX e nas primeiras décadas do século XX. Tempo vazado que permite composições e recomposições, configurações e reconfigurações, caleidoscópio que provoca tantas combinações quantas vivências se experimenta. A busca, na estrutura do texto, por uma sequência lógica se mostra uma tarefa inútil, tanto porque não será encontrada, e principalmente, porque não se terá o entendimento fundamental dos objetivos e dos problemas

Isto ocorre quando, concordando com Bergson, intuímos (DELEUZE, 1999, p. 7­26) o tempo, ou seja, vivemos na duração. Sair do tempo da representação, quando fazemos isso vivemos o tempo como experiência imediata. O relógio, o calendário e as grandes repartições da história especializam o tempo e negam a apreensão interior deste. E o que seria duração para Bergson? Ele responde com uma metáfora que dá conta do caráter interior e experiencial que são a sua marca:

Contrário a uma perspectiva de progresso, no qual o tempo é como uma flecha em disparada em direção ao futuro, Proust propôs uma experiência temporal mais em consonância com a figura de um caleidoscópio. Rompe­se aqui com a percepção de continuidade e abre­se à possibilidade de rupturas, aliadas a contínuos arranjos que dependem apenas das diferentes vivências experimentadas pelos indivíduos — e, trazendo para uma perspectiva social, à maneira de Halbwachs, das diferentes maneiras pelas quais, os diferentes grupos sociais organizaram sua relação com o tempo.

O tempo que dura é granulado, onde os seus interstícios são preenchidos pela subjetividade e afetividade, responsáveis pela constituição de outra temporalidade, radicalmente distinta daquela marcada pelo rigor cronológico. Este tempo, marcado pela memória, é uma reminiscência, que possui uma organização temporal que lhe é peculiar. O tempo que Proust busca redescobrir é, então, o tempo destas reminiscências. Este perpassa, de maneira perpendicular, o nosso tão conhecido tempo da cronologia. Mas, diferente deste, não está sujeito às provas materiais, posto que não é naturalizado, muito menos ordinário, antes, é sentido. E o que vai ligar a convivência de dois passados, ou melhor, o que fará o presente vivido, cúmplice do presente que já passou, é a memória, elemento fundamental para se entender esta concepção temporal. Deste modo, a contribuição de Proust a este debate é sua provocação no sentido de desnaturalizar a questão do tempo. É destacar seu caráter artificial e separado da experiência e subjetividade humana e propor uma perspectiva temporal que apreenda a densidade e a complexidade dos seres humanos e suas relações. Perceber a forma dramática pela qual as diferentes sociedades humanas se relacionam com as diferentes formas de lidar com esta questão. Compreender que os homens ritualizam sua forma de se relacionar com a passagem do tempo, dotando­a de significados diferentes. E, por fim, se dar conta de que no presente se coagulam diversos presentes, passados e futuros.

Carlos Nássaro Araújo da Paixão

quinta-feira, 2 de abril de 2020

Iconografia do Tempo, 1990


(arquivo Fernando Correia de Oliveira)

Os relógios Qlocktwo no Relógios & Canetas online


Estes e outros milhares de relógios mostrados e explicados aquiaqui ou aqui, no Relógios & Canetas online, a mais importante plataforma do seu género em língua portuguesa.

Janela para o passado - 1948, Kodak

Os relógios Frederique Constant e o Covid-19


Relógios Swatch lançam viagem virtual de 30 dias pelo mundo


Padrão Swatch Canvas para Lisboa

A Swatch acaba de lançar uma viagem virtual de 30 dias pelo mundo. Sem jet lag, sem necessitares de bagagem, e o melhor de tudo, e como se impõe por estes dias, sem saír do sofá.

Para aderir ao #SwatchTakesMePlaces a #EquipaSwatch leva a 30 destinos diferentes em todo o mundo durante o mês de Abril. Las Vegas, Veneza, Istambul (ou Lisboa)? E por que não todos estes destinos ao mesmo tempo?

A campanha #SwatchTakesMePlaces torna tudo possível, permitindo desfrutar de vivências culinárias, históricas, artísticas e muitas outras experiências locais - tudo isto, cumprindo sempre com o mote atual #StayHome.

Tudo isto desde que se siga no Instagram a conta @swatchtakesmetoNOMEDACIDADE, ficando disponíveis guias turísticos preparados pelas equipas locais Swatch.

 A acompanhar esta campanha, a Swatch desenhou um padrão Swatch Canvas para cada uma das 30 cidades escolhidas. Os 30 novos relógios #SwatchTakesMePlaces são designs Swatch X You que serão lançados, um a um, durante os 30 dias de Abril.

Todos estes relógios exclusivos de cada uma das 30 cidades escolhidas para a campanha vão estar disponíveis, para já, apenas na loja online, com um PVP de 115€.




A maior plataforma do seu género em língua portuguesa


Estes e outros milhares de relógios, instrumentos de escrita, jóias e outros objectos de luxo, mostrados e explicados aquiaqui ou aqui, no Relógios & Canetas online, a mais importante plataforma do seu género em língua portuguesa. A edição de Abril já está disponível.

Projecto Ephemera - Havemos de ir a Viseu...


Estava tudo preparado - a inauguração do pólo de recolha de materiais do Ephemera em Viseu era para ocorrer a 14 de Março, mas o evento foi adiado, devido à pandemia do Covid-19. O Jornal do Centro de 28 de Fevereiro, que tinha deslocado uma equipa de reportagem aos armazéns do Ephemera no Barreiro, dava conta disso mesmo.

Estação Cronográfica, que ali faz a Curadoria dos Núcleos do Tempo e da Gastronomia, garante: havemos de ir a Viseu...



Meditações - nos campos tudo é verdura

quarta-feira, 1 de abril de 2020

Relógios e jóias Chopard, 1990


(arquivo Fernando Correia de Oliveira)

Os relógios Junkers no Relógios & Canetas online


Estes e outros milhares de relógios mostrados e explicados aquiaqui ou aqui, no Relógios & Canetas online, a mais importante plataforma do seu género em língua portuguesa.

Janela para o passado - 1948, Kodak

Editorial Abril - O mundo está a parar, mas o Tempo não


Editorial

O mundo está a parar, mas o Tempo não

A indústria relojoeira suíça enfrenta um desafio quiçá maior do que aquele que enfrentou e quase a matou no início da década de 1970 – o relógio de quartzo.

Com as linhas de produção paradas – a Rolex deu o mote, encerrando as suas fábricas pelo menos por duas semanas –, com os aeroportos desertos e as suas lojas fechadas, com as redes de retalho a fecharem em todo o mundo, o impacto será, seguramente, maior do que o ocorrido aquando da crise financeira de 2008.

Apenas as vendas online dão alguma saída aos stocks acumulados.

Mas, a crise do Covid-19 vai passar. Os mais resistentes irão sobreviver, embora toda uma geração possa ter desaparecido. Na Relojoaria, o modelo de negócio, desde os pontos de venda à comunicação com o consumidor final, deverá ter mudado para sempre, pensamos nós. E, também aqui, toda uma geração terá desaparecido.

No nosso caso, aqui estamos com mais uma edição, feita totalmente em teletrabalho. Disponível, grátis, em todo o mundo. Sem grandes certezas, lembramo-nos de Fernando Pessoa e das suas últimas palavras: “I know not what tomorrow will bring” (não sei o que o amanhã trará). Resta-nos seguir a máxima Zen, muito usada pelos samurais: não esperar por nada, estar preparado para tudo.

Milhares de relógios e outros objectos de luxo mostrados e explicados aquiaqui ou aqui, no Relógios & Canetas online, a mais importante plataforma do seu género em língua portuguesa.

Abril no calendário inter-religioso Celebração do Tempo


Etimologia de Abril


in Ronda da História, 1958 (arquivo Fernando Correia de Oliveira)

Meditações - fez Deus no mês de Abril asas para as abelhas


Guerra Junqueiro




terça-feira, 31 de março de 2020