Est. June 12th 2009 / Desde 12 de Junho de 2009

A daily stopover, where Time is written. A blog of Todo o Tempo do Mundo © / All a World on Time © universe. Apeadeiro onde o Tempo se escreve, diariamente. Um blog do universo Todo o Tempo do Mundo © All a World on Time ©)

terça-feira, 30 de abril de 2013

Janela para o passado... Publicidade ao Estoril, 1946

Meditações - o tempo é como um saco

No tempo cabe tudo: é como um saco
sem princípio nem fim, de boca larga
e sem qualquer espécie de buraco
por onde possa dissipar-se a carga!

João de Castro Nunes

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Janela para o passado... fósforos Castelo, 1946

Baselworld 2013 - portefólio 4 (e fim, por agora)


Baselworld 2013 está a acabar e a comunidade relojoeira mundial já marcou encontro para 27 de Março de 2014, altura em que a maior feira de relojoaria e joalharia do mundo reabrirá portas. Cerca de 100 mil visitantes terão passado este ano pelo certame, entre eles 3.500 jornalistas. Numa feira alargada e renovada, houve menos expositores - alguns não aguentaram o aumento do preço do espaço, outros não gostaram das localização que lhes atribuíram (fala-se em 20 por cento de diminuição no número de expositores). Ausências notadas por Estação Cronográfica: as "chinesas" Eterna e Porsche Design, a francesa Pequignet, a independente DeWitt.

Na geopolítica da nova feira, o Swatch Group estendeu-se a toda a largura do meio do Hall 1, o mais cobiçado, simbolizando a centralidade do maior grupo relojoeiro do mundo. Na imagem de cima, o universo das suas marcas, pela primeira vez com referência à recém-comprada Harry Winston. Pela primeira vez em 30 anos de vida, a marca Swatch esteve também presente em Basileia, com um espaço gigantesco, o Swatch Planet.

Os pilares independentes Rolex e Patek Philippe mantiveram a predominância na entrada do Hall 1 - com a Patek a manter praticamente inalterável o seu stand, numa demonstração de conservadorismo proverbial; e com a Tudor a independentizar-se da Rolex, ganhando pela primeira vez um stand próprio.

O grupo LVMH deverá ter sido o que mais ganhou com as mudanças - agrupou os seus quatro pilares relojoeiros - Zenith, Hublot, Bvlgari e TAG-Heuer - logo à entrada do Hall 1. Deste ponto de vista, os perdedores terão sido os regressados Girard-Perregaux e JeanRichard, do grupo Kering (antigo PPR), que deixaram o salão de alta relojoaria de Genebra para voltar este ano a Basileia, mas ficando bem ao fundo do Hall 1.

Uma das notícias que antecedeu em dias Baselworld e surpreendeu os mercados foi a compra por chineses da até agora independente Corum. Os corredores da feira pululavam de boatos sobre outras compras iminentes por parte de chineses, ávidos de poder mostrar produto Swiss Made.

Um último portefólio sobre Baselworld 2013:


Com os pés bem assentes na Terra, ao lado de um astronauta Luminox...


Na festa "techno" da ck, num armazém dos arredores de Basileia







Na festa da Cuervo y Sobrinos, com o CEO da marca, Marzio Villa, a cantar...





Estéticas renovadas, investimento de milhões para poder estar na maior feira do género no mundo










O stand da Citizen, dos mais originais, com milhares de calibres suspensos no ar









No stand da Eberhard, um bólide pilotado por Tazio Nuvolari, nos anos 30



No stand da U-Boat, uma Triumph customizada pela marca relojoeira, numa edição limitada





Roda dentada... roda da fortuna. Símbolo de ascensão e queda, de vitória e derrota, de altos e baixos. Relojoaria, uma indústria europeia de vento em popa, no meio do naufrágio geral. Sic transit... e até para o ano.

Meditações - Quase em Maio

APRIL, 1885.

Wanton with long delay the gay spring leaping cometh ;
The blackthorn starreth now his bough on the eve of May:
All day in the sweet box-tree the bee for pleasure hummeth :
The cuckoo sends afloat his note on the air all day.

Now dewy nights again and rain in gentle shower
At root of tree and flower have quenched the winter's drouth.
On high the hot sun smiles, and banks of cloud uptower
In bulging heads that crowd for miles the dazzlin south.

Gat Robin is seen no more :
He is gone with the snow,
For winter is o'er
And Robin will go.
In need he was fed, and now he is fled
Away to his secret nest.
No more will he stand
Begging for crumbs,
No longer he comes
Beseeching our hand
And showing his breast
At window and door;
Gay Robin is seen no more.

Blithe Robin is heard no more:
He gave us his song
When summer was o'er
And winter was long:
He sang for his bread and now he is fled
Away to his secret nest.

And there in the green
Early and late
Alone to his mate
He pipeth unseen
And swelleth his breast.

For us it is o'er,Blithe Robin is heard no more.
Spring goeth all in white,
Crowned with milk-white may:
In fleecy flocks of light
O'er heaven the white clouds stray :

White butterflies in the air ;
White daisies prank the ground:
The cherry and hoary pear
Scatter their snow around.

Robert Bridges

domingo, 28 de abril de 2013

Janela para o passado... Mobiloil, 1946

Há 95 anos... um relógio complicado


in Almanaque de O Primeiro de Janeiro para 1918

Há 75 anos... Postal da E. Dent & Co. sobre o Big Ben

Postal da E. Dent & Co. Ltd sobre o mecanismo do Big Ben (clique nas imagens para aumentar)

Meditações - a forma de o tempo andar

É difícil de entender
do tempo a forma de andar:
ora caminha a correr
ora passa devagar!

João de Castro Nunes

sábado, 27 de abril de 2013

Janela para o passado... Companhias Reunidas de Gás e Electricidade, 1946

Meditações - olha o tempo da tua mãe...

Lembra, acaso, tua mãe,
No mundo quando chegaste.
Vê que o tempo que ela tem
Está em ti, sem mais contraste!

Olhos iguais ora abertos
O teu tempo contarão
E olha como estão certos
Do tempo que te darão!

António Lourenço Marques Gonçalves

sexta-feira, 26 de abril de 2013

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Relógio Swatch Sistem 51 - de novo, a revolução industrial?


Será que os seis módulos aqui representados irão revolucionar o processo industrial relojoeiro? O Swatch Sistem 51 foi hoje apresentado mundialmente, num evento durante a Baselworld. Em 30 anos de vida, é a primeira vez que a Swatch está presente, como marca, no maior certame mundial de relojoaria e joalharia. Falaremos mais deste revolucionário Swatch, mas deixamos aqui as primeiras informações. Veja aqui o filme da conferência de imprensa.


Os irmãos Hayek, Nayla e Nick, respectivamente Presidente e CEO do Swatch Group, no espaço que a Swatch tem na Baselworld, baptizado de Planet Swatch-


Na conferência de imprensa para o lançamento do Swatch Sistem 51, Nick Hayek recordou a situação da indústria relojoeira suíça quando a história da marca começou, em 1983 - estava falida, com as fábricas a fecharem e dezenas de milhares de trabalhadores especializados despedidos. A ameaça dos relógios de quartzo, vindos do Japão, fazia temer pela mrote definitiva de todo um sector.


"O meu pai, abraçando e desenvolvendo o projecto Swatch, conseguiu liquidez para ir mantendo as velhas manufacturas de relojoaria mecânica", recordou Nick. "Dez anos depois, em 1993, a Swatch lançava relógios mecânicos, permitindo a sobrevivência de segmentos da indústria produtores de calibres, como a ETA, onde ninguém mais estava disposto a investir. Quando hoje nos acusam de posição monopolista, onde estavão então, porque é que não quiseram investir também?", pergunta o CEO do maior grupo relojoeiro do mundo.


Swatch não quer dizer, como geralmente se pensa "swiss watch", mas antes "second watch", segundo relógio, iniciando-se assim uma estratégia de comunicação e marketing onde o relógio deixava de ser um objecto para toda a vida mas antes um elemento do código de afirmação pessoal - vários relógios, várias cores, vários estilos - moda, assumida.


Agora, com o Swatch Sistem 51, a marca de quartzo que terá salvo a relojoaria mecânica dá mais um passo revolucionário na cadeia de produção - um reógio de calibre automático por um preço entre os 100 e os 200 francos suíços.



Um projecto que levou vários anos a desenvolver e que exigiu a cooperação de empresas do Swatch Group como a ETA (calibres), Nivarox (espirais) ou Comadur (especialista em novos materiais). "Estamos perante um verdadeiro avanço tecnológico do ponto de vista relojoeiro", garante Nick Hayek.



E porque é que o Swatch Sistem 51 é revolucionário? Alguns números - é 100 por cento suíço; tem 90 horas de autonomia; 1 único parafuso (ao centro, com as outras peças coladas); 5 módulos; 17 patentes.



O novo calibre, com os cinco módulos em baixo




Comparação entre um cronógrafo clássico e o calibre automático do Swatch Sistem 51 (composto por um total de 51 peças, tantas quantas tinha o primeiro Swatch de quartzo, em 1983). A linha de produção elimina qualquer intervenção humana, sendo totalmente automatizada. A Swatch garante a durabilidade do novo modelo por pelo menos 10 anos.




Imagens de uma das três versões do Swatch Sistem 51, a que voltaremos dentro em breve